domingo, março 11, 2007

PELA MORTE DE DOIS MENINOS

Caminhas agora sobre o céu
E entre poucos homens e mulheres da terra
teu nome é lembrado.
Enfim, viveste apenas como sombra
Na planície da favela
De que valeria agora ter
o seu rosto recordado?

Recortada foste sim a tua vida
Quando na paulatina miséria foste subjugado
E das ruas do Centro fez a sua sina
A morte na vida, para pequeno homem
Livre e condenado.

Entre cães e amigos caminhava e vivia
Mediante esmolas garantia um pequeno ordenado
Nem a cruz da Igreja curou a tua ferida
Que com pedras e chicotes foste machucado.

A duras penas a tua alma não cingia
E nem pregado na madeira te sentias crucificado
Teu olhar penetrante mostrava que tímido não seria
Encarava os olhos da morte
Com os mesmos olhos que pedia um trocado.

Porém, foste abusado, e logo no começo, logo na saída
De uma estúpida brincadeira se tornou maculado
Não bastava apenas Felipe a roleta russa da vida?
E na ciranda da miséria foste baleado.

Mortal, o disparo não feriste apenas tú menino
O projétil vazio é a dolorosa lembrança de um novo acusado
Teu amigo de bola, esquema, viração e destino
Diz que a morte é a sua sina, por se saber algoz, declarado.

Teu corpo aos abutres se tornou nobre comida
E entre as sobras de um terreno, felizmente és encontrado
Agora se torna reza dos homens que não te salvaram em vida
E choram sobre o teu corpo-menino-caixão selado.

Descanse em paz Felipe
Do céu não pense nos homens que o havia abandonado.
Da terra, não sofras, não chores mais lágrimas
do que a sua dor suporta menino
A culpa é um câncer e, deste crime
você não é o maior culpado.


(rodrigo ciríaco)

Um comentário:

Tânia disse...

Estou chorando... e outra vez, choro mais pelos que ficam do que pelos que já se foram...
Nossos meninos merecem mais do que minutos de silêncio e lágrimas...o que podemos fazer por eles, meu amor?
O que eu fiz por eles???
Sinto falta deles...