quinta-feira, agosto 07, 2008

DIAS DE CÃO

estes dias está foda pra mim.

há quase três meses que venho sentindo uma dor nos ombros. hora vai, hora volta. nessas, fui suportando, algumas vezes passando no médico, tomando remédios, tirando radiografias, só administrando.

acontece que, desde sábado a noite, esta merda desandou. não durmo, não ando direito. sentado, deitado, em pé, não encontro posição confortável. parece que a pele que me cobre é pequena demais para os ossos do meu corpo. sinto-me comprimido, apertado. juntando a isto, parece que estou carregando uma mochila com uns três, quatro quilos. e eu não a tiro para nada.

não é uma dor insuportável, mas é permanente. contínua. imagine um alicate apertando o seu ombro. não muito forte. agora imagine ficar um, dois, cinco dias com este alicate. ele lá, pendurado, pesando. você começa a sentir outros locais apertar, braços, pulsos, mãos.

ou seja, só dor. não há o alívio.

esta semana já passei em cinco médicos diferentes. já tomei uma porrada de remédios, injeções e nada. já falei pros cara: passa morfina! eles acham que é zoeira.

e os filhosdaputa devem achar que eu to zoando mesmo. porque eu vou no médico, explico o que acontece, eles passam um remédinho lá e me dão o atestado de horas. ou seja, volte ao trabalho. eu falo que quando passo lição, apaga a lousa, o braço esquenta, queima. eles viram: é normal.

normal porque não é o seu ombro, seus viados!

como cansei de passar em médico babaca, resolvi faltar. eu com dor, constante, mal pra cara... e tô tendo que assumir a falta. é uma merda.

por isso não estou escrevendo no blog, respondendo emails. cooperifa, escola, amigos... desculpem. mas a coisa mais importante do mundo no momento é a minha saúde e, estou correndo atrás.

se ficarem sabendo que eu cometi algum atentado contra algum médico, não estranhem. já que estes semideuses são insensíveis a minha dor, não terei sensibilidade nenhuma a eles quando der umas pauladas nos joelhos deles e mandar eles ficarem de pé. quem sabe assim eles se colocam no meu lugar e percebem o que estou sentindo.

sem dormir, sem relaxar e sentindo dor,

rodrigo

2 comentários:

Lira. disse...

rodrigo,
faltou só lembrar que você também foi insensível com seu próprio corpo. ele tá assim e não é por acaso. a correnteza quebra a gente sempre... quando a gente resolve nadar contra ela quebra mais ainda. aí temos que ser espertos, saber prestar mais atenção, tomar mais cuidado e cuidar. dos outros e da gente (porque o nosso corpo também é a gente e sem ele a gente não dá conta de ser gente).
teatro, dança, ioga, sapateado, espreguiçar de manhã, sentar nos ísquios, não travar os joelhos, abrassar, amassar, pedir massagem... vale tudo.
(mas se tiver grave, conheço uns acumpunturistas que resolvem muito mais que qualquer remédio alopático).

beijo e se cuida!

Lígia Pin disse...

Tente massagem ou acupuntura. Se a coisa for muscular, massagem e relaxante (em dose media) podem ajudar. Eu sofro de dores musculares e sei o que é isso.
;o)