segunda-feira, dezembro 07, 2009

DEU MERDA

A nossa apresentação deste final de semana foi bem tensa. Do nosso grupo de dez atores, três prestaram o ENEM, sábado e domingo. Estavam exaustos, cansados. Uma atriz faltou, tivemos que improvisar na hora, definir quem assumiria o seu papel. Uma outra aluna estava muito mal por conta de problemas familiares. Outros dois estavam passando mal, com mal estar. Ou seja: o clima estava péssimo. Se pudesse cancelar, fazer outro dia, teria feito.

Mas o show não pode parar. A galera foi chegando, chegando, chegando. Gente de vários lugares: Centro, Lapa, Penha. Da comunidade. E as cadeiras se enchendo, enchendo. Teatro lotado. Amigos, familiares. Gente que nunca havia assistido uma peça na vida ali, aguardando ansiosamente o momento.

Chamei o grupo. Conversei sobre o clima que estava no ar, os problemas. A falta de uma colega, o mal estar de alguns. Tentei levantar a moral do grupo. E pedi ajuda. Disse que estava precisando deles. Naquele momento, mais do que nunca, estava precisando de cada um deles. E provoquei: “-E aí, posso contar com vocês, ou vão me deixar na mão.”

A resposta veio em cena. Uma apresentação maravilhosa, de superação. Artistas com o coração, alma e estômago em cena. Vida, tão dolorida quanto as nossas feridas. E dedicação. O grupo fez bonito. Nem mesmo a pausa abrupta em uma parte da música por conta do CD que riscou e um celular, usado em cena, que não era encontrado – problemas técnicos – fizeram com que o grupo deixassem a bola cair. Rolou improviso, solidariedade e talento. Muito talento. Essa molecada tá foda. Detonando. Surpreendendo a muitos. Deixando-me muito gratificado. E feliz.

No final, aplausos de pé. Choro, lágrimas, fotos. E uma certeza: se passamos incólumes, se sobrevivemos a todos os problemas deste domingo, 06 de dezembro, e ainda fazendo bonito, qualquer coisa que venha agora é fichinha. Peixe pequeno.

Por isso que você não pode perder “Os Mesquiteiros” com a peça De Aqui de Dentro da Guerra.

Como disse, neste final de semana quase deu merda. Ou deu. Ainda bem.

R.C.

P.S.: Esta é a nossa última semana, com quatro apresentações. Muitos parceiros e parceiras da cultura, da literatura ainda não colaram. Só tô esperando. Valorizar o nosso trampo na quebrada é fundamental. Então, rapa: cheguem mais. Estamos esperando.

Um comentário:

Priscila m s disse...

Que bonito! Fiquei arrepiada! Que bom que ainda existem pessoas como vocês!