quarta-feira, março 18, 2009

BARRIGA-RELÓGIO

A menina me olhou acabrunhada me chamou fora da sala e me disse professor eu estou grávida. Aquela notícia me veio como pedrada na cara eu disse o que você quer que eu faça e ela disse me acuda. O Deus do céu me acuda uma guria de quinze anos pedindo ajuda com o bucho carregado de uma nova criatura o que eu posso fazer? Ela disse professor eu já sei eu quero abortar o bebê mas menina isso é ilegal eu não posso me envolver mas ela insistiu em falar que se ele nascer eu vou morrer. O meu pai é um cara encucado já enfrentou juiz capitão delegado ficou doze anos preso por morte nas costas e me diz que mais uma ou outra não vai doer. Perguntei pelo pai da criança é também um menino que ainda não encontrou a dança tem quinze anos sem emprego e juízo o que faz bem é comer dormir e meter. E ela ali com os olhinhos cheios d’água inundando quase o corredor e a minha sala e todos os meus alunos no canto da porta se espremendo e botando os olhos pra fora e perguntando e aê? E aê que eu não sei o que fazer dizer correr abortar matar ou morrer ninguém me chamou na hora dos zoínho virado ninguém me escutou na hora que eu disse encapa o danado ninguém pode ignorar mais essa situação crianças de doze treze anos trepando transando não se amando acabando com o seu futuro sem razão veja só você.

2 comentários:

Estêvão Campos - DF disse...

Situação difícil essa, Ciríaco. Esse mundão está mesmo louco. Televisão incentivando isso direto, pais cada vez mais ausentes... Profissionais como você e mais uns ˜gatos pingados", que buscam a conscientização e dias melhores, fazem parte do movimento contrário à maré. Firme no fronte. Vai aí meu salve.

RIKA REEXISTÊNCIA disse...

Adorei
Embora tristi... muito triste!