quarta-feira, janeiro 30, 2008

PROSSIGO


Nenhuma voz
Ninguém pra dar uma força
Nenhum telefone
Na porta, nenhuma batida
Sem emeios, no scrap
Falando sobre isso, o orkut me diz
(cento e não sei quantos amigos)
Poderiam ser mil
Valeriam um, dois
Não sei...
Onde estão?
Na rua, trabalhando, em casa
Não sei
"você vale o que tem"
Sei lá, não tenho nada
Só fuleragem,
Sanguessugas, vampiros no osso
Veneno

Tento mais uma vez:
Alô?
"Sua chamada foi encaminhada para a caixa de mensagens..."
Foda-se então!
Se cair é penalti
Eu tô no jogo
Logo mais eu dô a volta
Por baixo
Por cima
Por entre os dedos.

4 comentários:

Luiz Carioca disse...

bom poema,
realmente, hj podemos ter tudo no virtual, mas o que nos sobra na realidade?

rodrigo ciríaco disse...

salve luiz, valeu pela visita.
abraço

Michele Prado disse...

"meus bons amigos onde estão?"

lindo poema, Rodrigo!

orkut, msn e afins nos dão a falsa impressão de amizade, quando o que queremos realmente é apenas alguém que nos dê a mão.

rodrigo ciríaco disse...

"alguém que nos dê a mão"
principalmente quando sentimos que estamos nos afogando michele.
abraço