terça-feira, abril 05, 2011

DESABAFO - A QUEM POSSA INTERESSAR

No ano passado me senti, por algumas vezes, muito humilhado no meu ambiente de trabalho: a escola. Perseguido, espezinhado. Questionado e colocado tudo a prova: minha integridade, meu caráter. Até mesmo a minha sanidade mental.

E não foi gente pequena, apenas, que mexeu comigo. Pessoas de médio e alto escalão me cutucaram. Fizeram até uma espécie de "assédio moral". Que aguentei calado. Sofri sozinho. Eu e meu travesseiro.

Tudo isso por não me calar. Por questionar muitas coisas que não julgo certas, ou que não concordo com os rumos. Por não me render. Por não me dar por vencido. Nem a mim, nem aos meus princípios. Para muitos, isso não é nada. Para mim, é tudo o que eu tenho.

Mas, como dizem, o tempo é senhor de muitas verdades, e castelos de areia não se sustentam nem mesmo sobre brisa, por estes dias eu tive uma revelação. Na verdade ela aconteceu na sexta-feira, mas chegou-me apenas hoje. A divulgação das notas de desempenho da rede pública estadual no Saresp de 2010.

A parte de todo o questionamento que possuo sobre esta avaliação, principalmente o que se resulta a partir dela - a "valorização do professor" - ela traz algum indicativo. Ela diz alguma coisa. E apenas confirmou o que eu já sabia, desde o ano passado, e que falei e fui repreendido por isso: que minha escola ia mal, principalmente no Ensino Fundamental, Ciclo II.

Para ter idéia, no resultado da avaliação, a minha Escola aparecem em SEGUNDO LUGAR, das PIORES ESCOLAS DA CAPITAL, com um índice de 1,19 (de uma avaliação que vai de 0 a 10). Comparando com as 3.695 unidades da rede de ensino, a posição no "ranking" é de 3.688, ou seja, está entre as OITO PIORES ESCOLAS DE TODA A REDE PÚBLICA ESTADUAL, ao menos no que diz no Ensino Fundamental II.



Isso não é motivo de orgulho. Nem vou cantar vitória por ter dito isso, já desde o ano passado. Já desde muitos anos antes. Mas é apenas para ressaltar que, quando um profissional da educação, como eu, faz uma crítica ao sistema de ensino, seja da sua escola, seja de uma política de governo, ele precisa ser ouvido, não censurado. Ele precisa de apoio, diálogo, não de repressão.

De todas estas notícias nada boas para minha quebrada, minha escola, eu ainda tenho orgulho e cabeça levantada pra seguir em frente. Afinal, aos trancos e barrancos, eu procuro dar o meu melhor. Pois, me diga: qual, de todas estas escolas aí, tem um projeto de literatura e teatro funcionando há mais de cinco anos, realizando Saraus, Encontros Literários com escritores, Oficinas de teatro e literatura, produção de Fanzines e, este ano, publicação de Livro? Qual?

Garanto que muitos que enfrentasse o perrengue que eu passo, já teriam desistido. Não vou mentir: eu mesmo já pensei várias vezes. Mas quando lembro da molecada que conta comigo, que caminha comigo lado a lado, eu prossigo. Porque neles, eu acredito.

Talvez não tenha feito a diferença para a escola. Mas, para alguns estudantes sim. A minha parte, estou fazendo.

Rodrigo Ciríaco

7 comentários:

Thais disse...

Sua parte, com certeza, vc. está fazendo. Muitos alunos e alguns professores, também. Agora, alguém, ou muitas pessoas continuam omissas. Vamos relacioná-las?! Creio que a discussão sobre educaçação deve ser clara, devemos dar nomes aos péssimos políticos e gestores escolares, aos alunos que não compreendem quais os papéis que possuem na escola e na sociedade, aos pais que não acreditam neles e nas suas descendências.
Desabafo compartilhado. Fica aqui minha posição também. Fica minha parte da culpa por não atuar efetivamente na área que escolhi, outrora.
O importante é que se, pelos índices oficiais, sua escola não está no topo, sem dúvida, seus alunos, aqueles que se envolvem direta ou indiretamente com os projetos desenvolvidos na escola ou na comunidade, serão pessoas melhores, cientes da condição e sociedade em que vivem.

vagner disse...

A mim interessa e muito.
Situação parecida passam todos os trabalhadores que atuam no campo da educação e que querem fazer algo "melhor", algo diferente do que esta posto à varios anos e que à vários anos não vem dando certo.
Seguimos tomando porada, sendo ridícularizados e até mesmo, às vezes, acusados de muitas coisas absurdas. Mas "nós os que ficamos" ainda acreditamos que é possível construir algo melhor, se não para o mundo, pelo menos para as nossas quebradas, tendo como ponto de partida o desenvolvimento do conhecimento e da reflexão e quando deixarmos de acreditar nisso não sobrará mais nada. Ainda acreditamos no nosso trabalho e mais que isso acreditamos na força e no potencial transformador de nossas crianças, por isso avançamos, por isso não desistimos, não se esqueça disso sua luta fortalece a luta de todos nós.
Vagner Souza - Educador 24 horas por dia.

.:: Camila ::. disse...

Desabafos me interessam.
Viver a educação não é algo facil, é opção. Opção fundamental para aqueles que acreditam na educação.
O Idesp é uma otima ferramenta pra provar que a Educação é ruim, é pessima, mas ao mesmo tempo a gente, EDUCADOR NA VEIA, tenta nao deixar a peteca cair. Tenta melhorar ao maximo... e o que recebemos em troca?! Insultos de sanidade mental. Assim como dizia minha vózinha, "a melhor resposta é aquela que não se oferece.", pois bem, acreditar em si e nas pessoas que formamos já é gratificante pra gente, talvez Deus não de asas a cobra mesmo, caso contrario elas podem voar... nós podemos voar, voce pode voar, pois mesmo sem as asas e tendo sido perseguido, questionado e colocado a prova quanto a sua integridade, seu caráter e até a sua sanidade mental (é até satirico isso), não se deixou abalar e foi a frente, a luta, pois é pela educação que podemos e conseguimos tudo o que queremos.
São os nossos alunos que nos fazem ser assim. São eles que permitem que continuemos assim e são eles as unicas vitimas de tudo. Pra gente educador é facil virar as costas e sair... deixar o circo pegar fogo... mas a gente vai a luta, pois assim como tantos por aqui que se dizem responsaveis, não queremos ser os reais responsaveis, pelo erro que os outros cometem. Façamos a nossa parte, sempre.

Bjuka

fadinhakruse disse...

Rodrigo admiro muito a sua força e a sua dedicação. Conheci um pouco de seu trabalho e com certeza ele faz toda a diferença na escola não tenha dúvida disso. Como já disse em outras ocasiões você é para mim um referencial de educador.

ZéSarmento disse...

Minha solidariedade e admiração.As vezes algumas pessoas quando querem melhorar ou desviciar algum setor da sociedade,acaba batendo de frente com letargia de anos e causando até inveja em quem apenas quer estar empregado sem ser muito útil.O sistema é uma merda e o do ensino pior.

Silvana Martins disse...

Rodrigo meu querido. Por isso precisamos seguir cantando, como disse Mario Benedetti: cantamos pela infância e porque tudo e porque algum futuro e porque o povo. Força irmão, tenho certeza que todas estas crianças que estão com vc são nota 10, e vc também!!! Com certeza já está fazendo a diferença. Um dia os dinossauros cairão e a escola passará a ter o papel de fazer aflorar o melhor que cada um tem dentro de si. Beijão da Sil

r.c. disse...

salve, rápa. a todos que comentário, mandaram um salve, minha gratidão. me sinto bem ao saber que ainda de longe, tem apoio e quem torce pela nossa luta, nosso trampo.

sigamos em frente. a vitória tem de ser nossa. ou é seguir tentando.