quarta-feira, agosto 29, 2007

cotidiano?

Esta semana voltei as aulas. Explico: semana passada tive uma forte infecção na garganta. E dores no ombro, no músculo do trapézio. Quatro dias de licença. Repouso? Só em casa. Mas não conseguia ficar parado. Li alguma coisa, ajeitei outras. Enfim.
E ontem, guerra. Porque é isso. Quando falo aula, é guerra. Na escola pública principalmente, não importa qual, é matar um leão por dia. Ontem não foi diferente. Por conta da cultura da violência que vive a nossa sociedade, isso respinga na escola. Pequenas desavenças entre alunos geram grandes tensões, formam-se grupos e ia ter pau na saída. Ia. Descobri o "esquema" e "perdi" duas aulas pra resolver o conflito. Sai da 6ªA vai pra 5ªA. Depois 5ªC e vou pra 6ªB. Volto pra 6ªA. Só chamando alunos no corredor e conversando. Querendo entender. Parece que deu certo. Ninguém tretou, ninguém foi pego na saída. Pelo menos ontem.
E como estamos na guerra, eu uso táticas de guerrilha. E, modéstia, estou melhorando. Ontem fiz a preparação do nosso próximo Sarau em sala. Antes não fazia a preparação, levava os livros pra sala, os alunos escolhiam na hora e declamávamos os poemas. Rolava, mas o silêncio muitas vezes era quebrado, muito búrburio, os alunos não gostavam dos poemas escolhidos. Ontem eu deixei eles só escolherem os poemas. Os melhores. Os que mais tivesse a ver com eles. E copiar no caderno. Para decorar e declamar depois. Daí, surgiram vários comentários interessantes:

Dinês, 1 metro e trinta e cinco e de altura, 11 anos. Dedos frágeis, parecem que vão quebrá-los. Segurando firme uma arma de grosso calibre, ANTOLOGIA POÉTICA, Carlos Drummond de Andrade, e dizendo:
"- Nooooooosa professor. Uou! Isso é que é livro."

Daniel. Pega um livro daqui, troca. Pega outro de lá, troca. Não gosta de nenhum. Ou melhor, os que gosta (conhece) estão com os outros. "Posso fazer uma sugestão Daniel? Este" Ele pega o livro, vai pra carteira dele e fica, até o final da aula lendo avidamente o livro. No final:
"- Professor, como faço para emprestar este livro?
- É da biblioteca. É só fazer o cadastro, marcar o nome do autor e do livro e emprestá-lo.
- Ah."
Então, ele pega papel e caneta e escreve:
"ANTOLOGIA POÉTICA
CARLOS DRUMMOND DE ANDRADE."

Carlos empolgado, dando várias risadas com um livro de poemas. Chega em mim. Coloca numa página em branco e me mostra. "Olha professor, esse é o melhor poema do mundo." Olho com cara de ué, não entendo. Ele percebe, explica:
"- Só os inteligentes podem percebê-lo."

Fala se o barato é louco ou não é?

Prof. Rodrigo

Um comentário:

o moço da bodega™ disse...

Olá, professor.
É exatamente isso que falta à maioria dos professores da rede pública de ensino: Liderança! E liderar essa turma sem impor suas vontades, eu diria que é matar dez leões por dia. É a chamada "liderança situacional". Tiro o chapéu para o seu laborioso ofício, sei que não é fácil, mas é assim que se constrói uma nova consciência cidadã.

Abraços e se cuida.