segunda-feira, outubro 04, 2010

ELEIÇÕES 2010

Para mim, a decepção foi muito grande. Demais. E não falo por ver o candidato Serra ter conseguido levar o pleito para o segundo turno. O que mais doeu foi ver, novamente, o PSDB comandando o estado de São Paulo por mais quatro anos. Pra totalizar 20 (vinte) anos no poder.

Mas engraçado, ninguém fala em Ditadura do PSDB no poder em São Paulo.

Sinceramente, eu não consigo entender isso. Principalmente quando vejo a Saúde, a Segurança e a Educação. Principalmente estas duas. Na segurança, o PSDB foi responsável por uma das maiores crises da Segurança Pública no Estado, quando após o governador eleito abandonou o governo em 2006 e teve a onda de ataques entre PCC e governo. Mais de 500 mortes em uma semana. Violência, medo, terror.

Na Educação, não preciso comentar nada. Precisa? Acho que sim.

Sei lá o que se passa na cabeça das pessoas...

E a segunda grande decepção é ver, um palhaço, com mais de 1.350.000 (hum milhão, trezentos e cinquenta mil votos), enquanto várias pessoas com tradição de luta e política, sérias, ficaram de fora.

Pior do que tá não fica? Tudo bem, pagaram pra ver.

Vergonha.

Vamos ter trabalho nos próximos quatro anos. Quem se importa, está mais do que na hora de dar a cara a tapa. Trabalhar, se unir. Política é coisa muito séria pra ficar nas mãos desses caras. Não dá.

2 comentários:

jwcl, Jorge Willian disse...

Primeiramente gostaria de dizer que gosto muito do que leio no teu aqui e que só hoje resolvi fazer um comentário: quem não é de São Paulo tem dificuldade em saber aquilo que realmnte ocorre por aí. A Grande Mídia faz questão de poupar o candidato Serra e esconde os aquívocos da administração do PSDB. No meu blog (jwcl amigo de heráclito) só consigo comentar o PSDB de um modo geral, mas não do paulista. A única coisa que sei é que o PSDB daí terceirizou toda a administração da área de saúde paulista. Mas só cosegui ler isso no Le Mond diplomatique Brasil.

Marcos Vinicius Gomes disse...

Pois é , mas faltou falar que o palhaço ovacionado é do partido que apóia a situação que por conseguinte é apoiada pelo grupo religioso-midiático que emprega o palhaço. Sejamos coerentes, senão ninguém sabe quem nasceu primeiro.