segunda-feira, dezembro 22, 2008

CHÁ NA CONCHA, FÉRIAS

estou em santos. neste momento, curtindo as recém-férias, que se iniciaram na sexta-feira, dia 19.

sábado rolou por aqui o "chá na concha". apesar da chuva e sol e chuva, foi bem legal, várias pessoas compareceram, rolou muita música, pintura, poesia; amizade e alegria.

gosto muito do chá na concha pois é um outro local em que as barreiras (in)visíveis que nos separam no dia-a-dia caem por terra. aqui ninguém sabe "quem é louco, quem é normal". não há rótulos, não há títulos.

ontem foi dia de sol, caminhar na praia, curtir uma macarronada e um filminho com os amigos. de noite teve apresentação, na praia, da OSESP - orquestra sinfônica do estado de são paulo, + convidados. mônica salmaso estava presente, com a praia cheia, gente de todas as cores, tribos e sintonias. muito bom.

bem, como falei, estou de férias. natal fico por aqui, com família, ano-novo ainda não sei. talvez passe em sampa, talvez não. como a grana não está muita, as férias servirão mesmo para descansar, muita leitura e reflexão para organizar o ano recém-chegando dois mil e nove.

o blog deve andar meio capenga, meio desatualizado por estes tempos. não quero ficar pensando muito em computador, celular, telefone, internet, jornal ou outra coisa qual. quem precisar falar comigo, deixe um comentário, mande email e, se for urgente, liga pra nóis. mesmo que se não atender na hora, assim que pegar o recado, retorno.

esse negócio de natal, festa, troca de presentes e tal não é muito comigo, não me ligo muito nesses lances e nem estou afim de filosofar e discorrer sobre isso neste momento então, boas festas, curta na paz, sem treta, sem briga. se não tiver nada material para dar, pelo menos dê um forte abraço nas pessoas que ama, olhe em seus olhos. isso não tem preço.

salve!

Um comentário:

Dinha disse...

Rodrigo, amigo querido, a distância física distanciará nossas idéias a ponto de não sermos mais amigos? Isso às vezes acontece, por falta de trocas, de entendimento.
Quero que saiba que confio em você, gosto de você bastante e acredito que se você errar, vai ser tentando acertar. Gostaria de que pensasse o mesmo de mim.
Daí que te desejo boas festas e um ano novo rico, cheio de horizontes.
O próximo livro demora. Tenho que soltar uns zines antes.
Em janeiro é provável que haja uma festa aqui no Bristol. Se houver, faço questão da sua presença.
Abraço forte de fim de ano. Começo.