sábado, março 31, 2007

31 de Março de 1964... ops! 2007

Sinceramente, ando um tanto quanto inquieto por estes dias. E não são apenas os meus problemas rotineiros com a escola que me afligem.
O ápice da minha inquietação se dá com a proximidade de uma data: 31 de março. Pois “A verdade – é triste dizer – é que o Exército dormiu janguista no dia 31... E acordou revolucionário no dia 1º”, segundo palavras do general Cordeiro de Farias (1). Revolução, como chamam até hoje os militares ou Golpe de Estado - como eu prefiro - que implementou no Brasil uma Ditadura Militar que duraria 21 anos (1964-1985), que autorizou a Pena de Morte, institucionalizou a prática da Tortura (hoje condenada mas ainda praticada) e assassinou / desapareceu com milhares de pessoas.
Mais inquieto ainda fico, quando vejo a fundação de um novo partido, os DEMOCRATAS (olha que bonito!), antigo PFL (Partido da Frente Liberal), antigo PDS, antigo ARENA, partido de sustentação do regime militar, e quando este partido “renasce” com o objetivo de varrer do Brasil a ameaça “populista”, nas palavras do antigo presidente, o senador Jorge Bonhassuen e do novo, o deputado Rodrigo Maia. Os democratas querem atingir uma “Democracia completa, ampla, irrestrita”. Hã, isso lembra alguma coisa?



Vou me contorcendo um pouco mais quando vejo militares “aquartelados”, fazendo greve de fome, exigindo melhores condições de trabalho e blábláblá, etc (que pode sim ser uma causa justa) causando uma enorme crise entre poder Executivo x Militares x Sociedade Civil (burguesia), desmoralizando um Ministro da Defesa - civil. Sim, estou falando dos controladores de vôo. E quando nesta semana – entre os dias 30 e 31 de março – ouço falar de quebra da disciplina, hierarquia... vai me dando calafrios, vou ficando mais assustado. Em que ano estamos mesmo, 1964?

O ingrediente que faltava era dizer que o país está uma bagunça, sem voz de comando, sem presidente. Ou seja, se não tem ninguém lá, bota alguém! Pois bem, a deixa foi dada pelo Josias de Souza no seu blog: “De tempos em tempos, os presidentes da República são acometidos de um tipo mortal de ilusão. A ilusão de que presidem. Lula foi vítima de um desses surtos dois dias atrás. Exigiu que as autoridades aeronáuticas marcassem dia e hora para o fim do caos aéreo. Ainda não foi atendido. Não há de ser nada. Logo, logo Sua Excelência vai mostrar quem manda na palhoça. Marcará dia e hora para que seus assessores lhe informem o dia e a hora do fim dos transtornos.” Será que estão pensando em indicar alguém? Castelo Branco, Costa e Silva, Médici? Não, eles são modernos... Qualquer gerente tipo Alckmim ou Serra já serviria.

Sei lá, teorias da conspiração a parte, fico preocupado! Preocupado por conhecer um pouco da nossa história, preocupado com estas incríveis “COINCIDÊNCIAS”. Preocupado com os discursos, com os conchavos que acontecem entre os meandros políticos, gabinetes e quartéis.

Ainda bem – isso é ironia viu gente – que o Jango... ops! O Lula está nos EUA. Imaginem se estivesse na Venezuela, nesse momento? O CAOS VERMELHO!!! Seria impedido de retornar ao Brasil? Seria proposto o Parlamentarismo novamente?

Meus toscos pressentimentos e minhas teorias conspiratórias me dizem que a Crise nos Aeroportos, o Apagão Aéreo tem muito mais do que fragmentos de uma incapacidade/incompetência do governo em resolver os seus problemas, em investimentos em infra-estrutura e pessoal no setor, em blábláblá mas, claramente, uma ação política, bem organizada e orquestrada de desestabilização e desmoralização do Governo. Com apoio da Mídia. E sem simpatias ao Lula, da minha parte! Quem acompanha o Blog sabe que não estou simpático a muitas coisas que está fazendo mas, para mim coincidências não existem. Hum, cheiro de golpe? Cruz-credo, nem quero pensar nisso... Mas penso!

O fato de se lançar um novo partido para combater o avanço “populista (comunista?)” no Brasil/América Latina, um “aquartelamento” dos militares, a desmoralização de um ministro da Defesa Civil (será que seria feito isso com um militar?) e as falas no sentido de pedir o “comandante” da nação parecem a reprise de uma fita pouco viva na memória da maioria dos brasileiros e cujo “the end” foi ANOS DE CHUMBO.

Sinceramente espero apenas estar ficando um pouco mais louco e poder dizer que tudo isso não passa apenas de meus delírios...

Rodrigo Ciríaco

P.S.:
(1) em “A Ditadura Envergonhada” de Elio Gaspari – Cia das Letras, pág. 81 e 83. Para compreender um pouco mais destas minhas loucuras, seria interessante dar uma folheada na obra aqui indicade e em outras: “Estado e Oposição no Brasil / 1964-1984 de Maria Helena Moreira Alves. Ave, tem uma bibliografia bem grande sobre esse assunto mas, eu to com fome e passo depois.


Sobre a fundação dos DEMOCRATAS:
http://www1.folha.uol.com.br/fsp/opiniao/fz2703200708.htm

Sobre o blog do Josias:
http://josiasdesouza.folha.blog.uol.com.br/

Sobre a Crise:
http:abra_qualquer_jornal_e_leia_com_o_mínimo_de_critica.com

quinta-feira, março 29, 2007

Eu Apoio!


DIRETAS JÁ PARA DIRETORES NAS ESCOLAS!!!

PROJETO DE LEI Nº 811, DE 2005

DISPÕE SOBRE A DEFINIÇÃO DE CRITÉRIOS PARA OCUPAÇÃO DO CARGO DE DIRETOR NAS ESCOLAS DA REDE ESTADUAL.

A ASSEMBLÉIA LEGISLATIVA DO ESTADO DE SÃO PAULO DECRETA:

Artigo 1.º - Fica o Poder Público através da Secretaria da Educação do Estado de São Paulo obrigado a realizar eleições diretas para Diretores nas escolas da rede estadual.

Artigo 2.º - A eleição deverá ser direta e por voto secreto.
§1º - Será eleito o candidato que obtiver a maioria simples dos votos validos, ou seja, 50% (cinqüenta por cento) mais 1.
§2º - A não obtenção da maioria simples levará para segundo turno os dois candidatos mais votados.

Artigo 3.º - Os candidatos deverão pertencer ao quadro de servidores da Secretaria e estar há três anos letivos consecutivos na unidade escolar em que se candidatar.

Artigo 4.º - O colégio eleitoral será formado por profissionais da Educação em exercício na escola, profissionais da Educação em licença médica, especial ou gestante, desde que estejam cadastrados para o pleito, alunos a partir do ensino médio regularmente matriculados e freqüente às aulas e os pais ou responsáveis dos alunos.

Artigo 5.º - Um membro da Secretaria da Educação do Estado, um membro do Sindicato Estadual (APEOESP) e um membro do Conselho Estadual de Educação integrarão o Conselho Estadual responsável pelos encaminhamentos dos pleitos eleitorais nas unidades escolares.

Artigo 6.º - Cada unidade escolar constituirá uma comissão eleitoral que coordenará e dirigirá a eleição, ela será formada por dois representantes de servidores do quadro do magistério, do administrativo, um representante dos alunos a partir do Ensino médio de escolaridade e um representante dos pais ou responsáveis.

Artigo 7.º - A Gestão será de 03 (três) anos a partir da data da posse, com direito a reeleição.

Artigo 8.º - O Executivo regulamentará a presente lei no prazo de 60 (sessenta) dias, a contar de sua publicação.

Artigo 9.º - A despesas com a execução desta lei correrão por conta de dotações orçamentárias própria, suplementadas se necessário.

Artigo 10 - Esta lei entra em vigor na data de sua publicação.


JUSTIFICATIVA
Este Projeto de Lei tem como objetivo principal estimular a integração da Rede Escolar Estadual com as comunidades que a cercam, pois o estreitamento dessa relação produzirá melhoria na qualidade do ensino com a participação de todos os agentes que compõem o universo escolar.
O envolvimento da comunidade na decisão do Diretor escolar representará, além da simples escolha de um nome, a definição de uma proposta de ensino discutida e debatida diretamente com a comunidade e fundamentalmente cada realidade será respeitada.
Este Projeto de Lei também visa estimular o fortalecimento da democracia, pois nossos jovens a partir do ensino médio começarão a decidir através do voto direto pela melhor proposta de direção, esse processo implicará na ampliação dos horizontes de nossos jovens a partir da sua realidade local para a decisão nas esferas Municipal, Estadual e Federal.
A soma deste Projeto de Lei complementará outros Projetos que estão em curso, como a escola da família, na busca do objetivo maior que é a integração da escola com a comunidade e o resultado dessa proposta é o fortalecimento da escola pública e a construção de uma sociedade participativa nas decisões do seu cotidiano.
Tendo em vista a grande relevância da matéria, bem como os muitos benefícios resultantes desta iniciativa, solicitamos o apoio dos nobres pares para a presente propositura.
..
Sala das Sessões, em 10-11-2005
a) Enio Tatto - PT

outras infos. veja:
http://cremilda.blig.ig.com.br/
http://z004.ig.com.br/ig/41/60/121468/blig/cremilda/2006_12.html#post_18714220

só um aviso

a (r)evolução será silenciosa
e a mãos pequenas. pequenininhas...
aguardem!

terça-feira, março 27, 2007

. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .

Onde eles vêem desgraça
Eu vejo ouro, nem prata

Onde eles vêem obstáculos
Eu prefiro enxergar desafios

Onde estão os desprezados
Eu prefiro manter o diálogo

Onde estão os esquecidos
Eu prefiro lembrá-los, fazer luzir o brilho

Na fábrica “construção de humilhados”
Sou o operário insatisfeito

Me debato com a máquina-sistema
Eletrochoque, curto-circuito vivo

Na minha linha de produção
Não aceito mediocridades

Produzir dignidades
É meu permanente ofício.


(rodrigo ciríaco)

segunda-feira, março 26, 2007

assovio...

o poema abaixo eu roubei do blog da minha queridíssima amiga Rera Tavares (www.assovio.blogspot.com). é que eu achei tão bonito que fiquei com vontade de divulgar. não fica bravo comigo não rera, tá? beijones...

___________________________________

a fragilidade absoluta das coisas.
eu, coisa, a fragilidade absoluta de mim.

exclamo interrogações

é preciso ser vertical, como os prédios,
então treino: o pé direito à frente, depois o esquerdo
e assim sucessivamente

vontade de abraçar o mar
até virar água

mas nasci bicho da terra
assim como os elefantes, os macacos e
os bois

sábios os elefantes, macacos e bois
que se amam e respiram e seguem
sem elocubração
profetas
issos
aquilos

já eu, humana
não me basto:
cogito sonhos
penso
nuvens

quero nadadeiras
e asas

invento nadadeiras e asas
que se lêem –
leia-se, escrevo:

é preciso ser vertical
ao que eu me curvo
ao que eu protesto

edificando poemas

Lançamento do Livro: Cátia, Simone e Outras Marvadas

Cátia, Simone e Outras Marvadas
Autor: Sebastião Nicomedes
Edições Dulcinéia Catadora

30 de Março, sexta, a partir das 08:00 hs da manhã
LOCAL: Centro Franciscano de Reinserção Social
Rua Riachuelo, 268
Largo São Francisco - Centro - SP
Na volta da Plenária FalaRua, promovida pela articulação do MNPR - Movimento Nacional da População de Rua - Comissão São Paulo. Tema "PORTAS DE SAÍDA", das 8:00 às 13:30 horas

*Cátia, Simone e Outras Marvadas reúne poemas que versam sobre situações vividas pelo autor, como a vinda para São Paulo, a condição de albergado, a fome, a dura situação da população de rua, seu inconformismo com a injustiça social, suas fantasias e sonhos.

*SEBASTIÃO NICOMEDES é Integrante do Movimento Nacional da População de Rua. Assina a coluna Direto da Rua, publicada no jornal “O Trecheiro” e é autor da peça “Diário dum Carroceiro”, apresentada em 2006 (Teatro Fábrica - SP).
PROJETO DULCINÉIA CATADORA
* Livros de contos e poesias com capas feitas de papelão comprado dos catadores a um real o quilo, quando eles normalmente o vendem a R$0,30 centavos.
* Capas pintadas à mão por filhos de catadores.
* Uma idéia simples, na contra-mão do mercado editorial, mostra que é possível divulgar autores novos com a venda dos livros a R$5,00.
* É assim que funciona o Dulcinéia Catadora, um projeto artístico auto-sustentável que reúne artistas, escritores, catadores, pessoas em situação de rua.
outras informações: dulcineia.catadora@gmail.com

domingo, março 25, 2007

O Analfabeto Político


O Analfabeto Político*
Bertolt Brecht

O pior analfabeto
É o analfabeto político.
Ele não ouve, não fala,
Nem participa dos acontecimentos políticos.
Ele não sabe que o custo de vida,
O preço do feijão, do peixe, da farinha,
Do aluguel, do sapato, do remédio,
Dependem das decisões políticas.

O analfabeto político
É tão burro que se orgulha
E estufa o peito dizendo
Que odeia a política.

Não sabe o imbecil que,
Da sua ignorância política
Nasce a prostituta, o menor abandonado,
e o pior de todos os bandidos,
que é o político vigarista,
pilantra, corrupto e o lacaio
dos exploradores do povo


*há outras versões sobre o final do poema mas, acredito que a tradução mais fiel seja esta.

Mil palavras # 4 + Absurdos Políticos = Desabafo!

Lula, José Alencar e Fernando Collor - sinceramente...


V de Vendetta - desejo e ...

sugestão!
Não entendeu? Assista o filme.
Ultimamente, estou ficando mais revoltado. Se é que é possível!
Pesquisa DataFoda-se, 25 de março de 2007 indica: principal preocupação dos brasileiros? Violência! Pior desempenho do governo Lula? Segurança/Violência.
Vendo algumas fotos do Lula nos últimos dias, acho que o pior desempenho dele é no quesito companhia. Tá mal assessorado hein companheiro?
Mas sobre a pesquisa, eu me pego pensando: - Pô, só se pensa no efeito? E a causa? Por que temos violência? Isso ninguém se discute? Ninguém se preocupa? Ninguém vai falar seriamente disso?
Vou ser direto porque não tô com paciência pra ficar discutindo muito. Leia o texto abaixo e entenda um pouco:
"Não bastasse o desgaste proporcionado pelo sepultamento da CPI do Caos Aéreo e pelo iminente reajuste salarial dos deputados, a Câmara está na bica de cometer mais um atentado contra sua própria imagem. Nas próximas semanas, será votado um projeto devastador. Carrega um artigo que, se aprovado, representará um eloqüente estímulo à malversação de verbas públicas e à impunidade.

Trata-se de artigo injetado no Projeto de Lei Complementar número 358. A proposta começou a percorrer os escaninhos do Congresso em 2005. Contém regulamentos ao funcionamento do Judiciário. Trata, por exemplo, da chamada “súmula vinculante”. Já foi aprovado no Senado. Na Câmara, recebeu a chancela da CCJ (Comissão de Constituição e Justiça) no final do ano passado.

Encontra-se agora na fila do plenário, pronto para ser votado pelos deputados. Arlindo Chinaglia (PT-SP), presidente da Casa, já avisou que logo, logo a proposta será incluída na ordem do dia. Escondido no meio do projeto 358 há um artigo maroto. Foi incluído na CCJ. Deu-se, literalmente, na calada da noite, às 23h do dia 28 de dezembro do ano passado.

Concede foro privilegiado a todos os políticos processados por atentar contra o erário, mesmo aqueles que já deixaram os cargos. São beneficiários diretos ex-prefeitos, ex-governadores, ex-ministros e até ex-presidentes da República. Se aprovada, a novidade representará um extraordinário retrocesso. Desferirá um golpe de morte na Lei de Improbidade Administrativa, aprovada em 2002.

Essa lei deu poderes a promotores estaduais e procuradores da República para processar gestores desonestos, submetendo-os ao julgamento de juízes de primeira instância. Aprovado-se o projeto 358, esses ex-administradores passarão a dispor de foro privilegiado. Ex-prefeitos só poderão ser julgados pelos Tribunais de Justiça. Ex-governadores, pelo STJ. Ex-presidentes e ex-ministros, pelo STF.

Nos últimos 50 anos, não há notícia de uma mísera condenação que tenha sido imposta a um político pelos tribunais. Ou seja, em vez de facilitar a punição de políticos desonestos, a nova lei irá condenar os processos à prescrição. Será um prêmio à impunidade.

Há no Brasil algo como 10 mil ações escoradas na Lei de Improbidade. São cerca de 9.400 nas esferas estadual e municipal e aproximadamente 600 na esfera federal. Com a nova lei, onde houver condenações, abre-se espaço para o questionamento das sentenças. Quanto aos casos ainda pendentes de julgamento, subirão aos tribunais. Tribunais já abarrotados de processos e sem a mínima estrutura para julgar tantos casos de improbidade.

Mencione-se, por eloqüente, o exemplo da cidade de São Paulo. Ali, o Ministério Público move 663 processos por improbidade. Foram abertos entre 1992 e 2006. Reivindicam o ressarcimento aos cofres da prefeitura paulistana da impressionante soma de R$ 36,3 bilhões, dos quais R$ 5,6 bilhões já foram bloqueados pela Justiça. Tudo isso pode virar pó caso o Congresso aprove o projeto 358.

No instante em que a proposta for a voto, estará em plenário o ex-prefeito Paulo Maluf, agora deputado federal pelo PP de São Paulo. É um dos réus citados em processos que tramitam na Justiça de São Paulo. Como Maluf, há um sem-número de deputados que, na condição de ex-gestores de cofres públicos, carregam processos nas costas. Adivinhe como eles vão votar..."
50 anos. Nenhuma notícia de condenação imposta a políticos pelos tribunais. NENHUMA!
Ministério Público do Estado de São Paulo reivindica o RESSARCIMENTO de R$ 36,3 BILHÕES (trinta e seis bilhões e trezentos milhões de reais), que foram roubados dos cofres públicos, dinheiro meu e seu. 36 Bilhões!
A reforma podre - e quando digo podre não falo da escola, falo da reforma, que deixará vários buracos. já está previsto - da minha escola custará R$ 500 mil reais.
Quanto custa uma biblioteca comunitária decente, com livros, espaço para atividades, oficinas, teatros na periferia? Vai, uns R$ 100 mil reais, chutando bem alto?
O CEU - Centro Educacional Unificado - Quinta dos Sol, Vila Cisper, está sendo construído, orçado no valor de R$ 17 milhões de reais.
Estou fazendo estes cálculos pelo seguinte:
Só com esse valor de R$ 36,3 Bilhões de Reais - deve ter mais mas, vamos trabalhar com o que a gente conhece, daria-se para (aproximadamente):
- CONSTRUIR 2.000 (DUAS MIL) UNIDADES DOS CEUs - CENTROS EDUCACIONAIS UNIFICADOS, COM CONJUNTO POLIESPORTIVO, CENTRO CULTURAL, ESCOLA.
- REFORMAR 36.000 (TRINTA E SEIS MIL) ESCOLAS, COM ORÇAMENTOS DE R$ 1.000.000,00 (HUM MILHÃO DE REAIS): reestruturar salas, quadras, encanamentos, coberturas, buracos de paredes, fiação com risco de curto, etc...
- CONSTRUIR 360.000 (TREZENTOS E SESSENTA MIL) BIBLIOTECAS COMUNITÁRIAS COM ESPAÇO PARA OFICINAS, LEITURAS, ATIVIDADES DIVERSAS.
E eu fico mais revoltado ainda (é possível) quando eu vejo alunos na 5ª, 6ª, 2º ano do ensino médio, sem saber ler e escrever! É, isso mesmo, acabando o ensino Médio sem saber ler e escrever. E quando propomos turmas de recuperação, especial, qual nome-lá-que-o-raio-parta, a desculpa é sempre a mesma. Não temos dinheiro! Quanto gasta para bancar um professor extra para estes alunos? Vai, R$ 2.000,00 (DOIS MIL REAIS)? Mais uma continha só:
R$ 36.000.000.000,00 (quase me perco nos zeros) : (dividido) por R$ 2.000,00 (cada professor) = 18.000.000 (dezoito milhões) de professores! Será que acabaríamos com o analfabetismo? Será que tem professor suficiente pra isso?
E você, ainda não se revolta contra a corrupção? O seu principal problema também é a violência? Você ainda acha que colarinho branco não é crime hediondo? Não mata? E aí, o que você pensa sobre isso?
Será que recuperar e investir este dinheiro - que já disse, é nosso - no lugares adequados, não precisaria aumentar impostos, nem pedir dinheiro de lugar nenhum, NÃO REDUZIRIA A VIOLÊNCIA, ou é só preocupação social tola, bobagem?
Os números estão aí. Faça as suas contas. Mas tenha uma única certeza: aqui não tem apenas estatística! Aqui tem sangue, morte, lágrimas e muita indiferença. É por isso que as coisas não dão certa neste país!
Rodrigo Ciríaco

sábado, março 24, 2007

Quem disse que na periferia não dá pra curtir?

Para os Ganso e os Lambe-Sola: não é só o tráfico e a violência que movimenta a nossa querida periferia paulistana.
Hoje, eu, Tânia, Robson Canto e Neide estivemos no Jardim Ipê, próximo ao metrô Capão Redondo para conferir a inauguração da Biblioteca Êxodos, projeto realizado pela Periferia Ativa e 1dasul, com apoio do Negredo, Brown entre outros.
Coisa bonita foi chegar na humildade e ver a molecada pegando firme nos livros, brincando; um menino com o livro do Sebastião Salgado (Êxodos !) na mão. Na parte superior, apresentação de teatro, a molecada dançando samba-rock, batendo e recebendo palmas. Apresentação de Rap. Muita, muitas criança, sorrisos, alegria. Quem disse que na periferia não dá pra curtir.
Sérgio Vaz, Lobão, Eduardo Suplicy entre outras figuras também estavam por lá. Foi bonito. No final trombamos com o Buzo, a Marilda, o Evandro e mais um mano.
Ao Negredo, Brown, Ferréz, Periferia Ativa e tod@s que contribuiram para o trabalho: parabéns! Ver trampos como este não apenas nos enchem de orgulho como dá um puta força, puta motivação para continuar o trabalho árduo que é fazer crescer as sementes da cultura e da arte em nossa periferia.
E já serve de resposta aos gansos e lambe-solas que sabem apenas criticar mas, nunca colam nas áreas, com humildade, para constatar que tipo de trabalho se faz ali.

r.c.

sexta-feira, março 23, 2007

Post 200

Post (postagem) de número 200. Nada para se comemorar mas, um número especial, principalmente porque venho escrevendo ativamente desde outubro do ano passado e tem umas pessoas curtindo, discutindo comigo sobre o blog, visitando. A vocês "gratidão, esssa palavra-tudo", como disse Drummond.

E por falar em escrever, nestes quase seis meses nunca fiquei mais do que três dias sem escrever neste blog. Pois bem, esta semana aconteceram umas fitas cabulosas na minha vida e, não teve jeito: fui buscar refúgio em outras margens, numa ilha beirando o Atlântico, chamada Santos. Foi lá que encontrei paz e conforto ao lado de colegas e da minha flor, Tânia. Só eu sei o que passei, o que vivi por esses dias mas, nada como um dia após o outro e, tô aqui de novo.

E para a postagem 200, duas músicas de um grupo fundamental na minha curta estrada. A primeira fala um pouco sobre estes dias e, a segunda, sobre o porquê no nome deste blog e do meu (poe)zine: Efeito Colateral.
Pra vocês, Racionais:

"O que é o que é??
Clara e salgada,
cabe em um olho e pesa uma tonelada,
tem sabor de mar,
pode ser discreta,
inquilina da dor,
morada predileta.,
na calada ela vem,
refém da vingança,
irmã do desespero,
rival da esperança,
pode ser causada por vermes e mundanas
ou pelo espinho da flor,
cruel que vc ama,
amante do drama,
vem pra minha cama,
por querer, sem me perguntar me fez sofrer,
e eu que me julguei forte,
e eu que me senti,
serei um fraco,
quando outras delas vir,
se o barato é louco e o processo é lento,
no momento,
deixa eu caminhar contra o vento,
do que adianta eu ser durão e o coração ser vulnerável,
o vento não, ele é suave, mas é frio e implacável,
(é quente) borrou a letra triste do poeta,
(só) correu no rosto pardo do profeta.
Verme sai da reta,
a lágrima de um homem vai cair,
esse é o seu B.O. pra eternidade,
diz que homem não chora,
ta bom, falou ou vai pra grupo irmão ai
JESUS CHOROU ! ! !"

"se eu fosse aquele cara que se humilha no sinal
por menos de um real minha chance era pouca
mas se eu fosse aquele moleque de tôca
que engatilha e enfia o cano dentro da sua boca
de quebrada sem roupa você e sua mina
um dois nem me viu já sumi na neblina
mas não permaneço vivo prossigo a mística
vinte e sete anos contrariando a estatística
seu comercial de tv não me engana
eu não preciso de status nem fama
seu carro e sua grana já não me seduz
e nem a sua puta de olhos azuis
eu sou apenas um rapaz latino americano
apoiado por mais de 50 mil manos
efeito colateral que o seu sistema fez
racionais capítulo 4 versículo 3"

SARAU: ocupação João Cândido

Sábado, 24/03, às 20h: I Sarau da Ocupação João Cândido: música, poesia, teatro e projeções. Vamos aliar a experiência da Brigada de Guerrilha Cultural do MTST na organização de saraus em outras ocupações e comunidades ao talento e à experiência de vida das famílias do acampamento João Cândido.
Participe! A presença dos amigos e amigas do MTST será muito importante para o fortalecimento da ocupação e da luta das famílias acampadas.
Revolucionários do Brasil, fogo no Pavio! ,

Como chegar na Ocupação João Cândido:
De ônibus: no Largo da Batata, pegar o Valo Velho e descer no ponto final (Compre Bem). Depois da passarela (ao lado do ponto final), virar à esquerda na rua com placa para o Jd. Cinira. Descer até a padaria Flor do Valo, pegar a direita, na Av. Soldado Gilberto Augustinho, subir esta avenida e virar uma rua depois do Mercado Guimarães.
Ou: no ponto final do Valo Velho, pegar a van Cinira até a entrada do terreno, depois do Mercado Guimarães.

outras infos. de como chegar no Sarau:

Manifesto de Apoio à Ocupação João Cândido

A situação da moradia na periferia de São Paulo não é hoje distinta da situação de tantas outras grandes cidades. O regime de exclusão, miséria e descaso do Estado empurra milhões de familias a viver de forma indigna: na rua, em situação precária de moradia, em favelas, áreas de risco, morando de favor na casa de amigos ou parentes, além das pessoas que não conseguem mais pagar o aluguel porque estão desempregadas ou porque o mesmo arrebata suas condições mínimas de vida. Se pagam aluguel, não comem; se comem, não pagam aluguel.
Cansados de se calar diante desta condição, as lutadoras e lutadores do Movimento dos Trabalhadores Sem Teto ocuparam, na noite de sexta-feira, 16 de março, um terreno de mais de 1 milhão de metros quadrados no município de Itapecerica da Serra. A área, vazia e ociosa, era mais um terreno destinado à especulação imobiliária, não cumprindo com nenhuma função social, como determina a Constituição Federal. A ocupação, que já conta com mais de mil famílias, continua crescendo com a chegada incessante de novas pessoas dispostas a montar suas barracas, no que se supõe um grito pela dignidade e reclamo de um direito fundamental, que é o acesso a uma habitação digna.
Com uma história de mais de oito anos, o Movimento dos Trabalhadores Sem Teto já conseguiu numerosas vitórias, sendo a última um acordo com o governo federal para incluir num programa habitacional as 860 famílias da periferia, que o ano passado mantiveram durante oito meses outra ocupação na região metropolitana: a Comunidade Chico Mendes conseguindo assim, com sua luta, que seu direito a uma moradia digna se tornasse realidade. Num movimento semelhante ao que já fora feito com a propriedade rural, ao desnudar a concentração de terra no interior do País, os sem-teto, como os sem-terra, apresentam a reforma agrária e a reforma urbana como faces de uma mesma moeda, momentos distintos de um embate comum, resolvido na tomada de terra improdutiva e de prédios e terrenos sem uso.Onde há uma necessidade, há um direito esquecido.
Juridicamente falando, existem direitos humanos que devem ser respeitados. Estes direitos são materializados na Constituição brasileira nesta ordem de importância: vida, liberdade, igualdade, segurança, propriedade. Se os direitos estão nessa ordem, não é por acaso; significa dizer que o direito à vida antecede o direito à propriedade. Já que o direito à moradia figura nos direitos humanos, ele também antecede o direito à propriedade privada do grande latifúndio rural ou urbano.Acreditamos que a humanidade pode e deve lapidar no seu cotidiano a armadura de sua soberania, a palavra viva da luta de um povo em vez da palavra morta da propriedade privada. Por isso, os signatários que se colocam abaixo em solidariedade com a dignidade rebelde da periferia combativa de São Paulo, colocados desta vez nas lutadoras e lutadores do Movimento dos Trabalhadores Sem Teto, exigem:
- Que o direito à vida seja respeitado antes da propriedade privada, o que supõe a suspensão imediata das ameaças de despejo.
- Que tanto o prefeito da localidade como todo o poder público – nas esferas federal, estadual e municipal – aceite tratar de uma solução para o cumprimento dos direitos de habitação de todos os acampados, seja através da compra do terreno, seja através da inclusão dos mesmos num programa habitacional.

outras infos: http://mtst.info/manifesto_joao_candido

domingo, março 18, 2007

Efeito Colateral - ano xxv / nº v


a capa acima (desenho de GOYA, em Os desastres da Guerra) é do meu novo zine:
Efeito Colateral - ano xxv / nº v
Foram quatro angustiantes meses até que eu conseguisse juntar alguns poemas e imagens que eu ficasse razoavelmente satisfeito - nunca fico por inteiro - e saísse este número!
Os poemas, produção e financiamento ficam por minha conta: Rodrigo Ciríaco. A distribuição é gratuita. Quem desejar recebê-lo, basta enviar um email com endereço completo para: rodrigociriaco@yahoo.com.br e no campo assunto coloque, por favor, EFEITO COLATERAL - ZINE, ou retire um exemplar direto da minha mão, beleza?
Os que já recebem, basta aguardar que chegará no seu endereço nos próximos dias.
aquele abraço,

Rodrigo Ciríaco

P.S.: e aguardem, o próximo quero fazer uma edição especial. Será o meu aniversário, edição número 06 (número da sorte) e um ano de Zine. Tem que vir algo diferente né?

Barbara Gancia e o Hip Hop

De maneira desrespeitosa e covarde (pois vale-se de um grande jornal para dizer o que bem entende. Há direito de resposta na Folha para esta coluna?), a "jornalista" Barbara Gancia atacou o movimento Hip Hop, dizendo algumas besteiras. Bem, visite os blogs do Sérgio Vaz e do Alessandro Buzo e saiba mais informações, respostas à altura das provocações:

Sérgio Vaz:
http://www.colecionadordepedras.blogspot.com/

Alessandro Buzo:
http://www.suburbanoconvicto.blogger.com.br/

R.C.

Mil palavras: # 3





quinta-feira, março 15, 2007

Desumanidades


Desumanidades # 2

Seu Ricardo morreu porque não tomava banho
Sebastião Nicomedes

A segunda semana de março tinha tudo pra ser uma semana boa pra mim, daquelas do tipo sem igual. Desde o segundo sábado de fevereiro que vinha aguardando ansioso que chegasse o segundo sábado de março. Por quê? Porque todo segundo sábado de cada mês acontece a feira da troca (troca-troca) dos moradores de rua embaixo de um viaduto na baixada do Glicério. A feira da troca reúne artesãos que fazem desde bijuterias a pinturas, esculturas, arte com sucata, rolistas de roupa de pechincha, brechozeiros de calças, camisas, meias, paletós. Tem até cueca de segunda. E tem artistas, poetas, cantores, enroladores também, do tipo que pensa que toca, pensa que canta, mas não toca e nem canta nada, só faz viajar na empolgação dos aplausos da platéia que acha tudo muito engraçado. E têm talentos de primeira linha também, artistas natos que estão na rua morando mas têm dons impagáveis. E têm músicos, artistas colaboradores, simpatizantes e simpáticos cantores, bandas, grupos inteiros que fazem som profissional de primeira qualidade. Eles chegam de favor nas peruas do CAPE - aquelas peruas do São Paulo
Protege usadas comumente no transporte de pessoas em situação de rua, jovens, adultos e crianças encaminhadas ao serviço social para algum dos serviços prestados, geralmente albergues e casas de acolhida, abrigos enfim. Como a feira é de moradores de rua e o horário do dia é sempre mais tranqüilo, não custa dar uma carona para o pessoal que chega pra abrilhantar a festa sem cobrar nada. Enquanto aguardava horário pra cumprir roteiro, um motorista se aproximou de mim. Havia dado o plantão da noite e já devia ter ido embora. O motorista, cabisbaixo, comentou comigo de um acontecimento triste: um morador de rua atendido pelo Cape veio a falecer dentro da viatura (perua). Ouvi atento e fiquei abobado com a informação. Mas fiquei meio sem entender, sem acreditar.O show rolou. O clima mais ou menos. Eu estava sabendo que naquela hora havia no IML um corpo de alguém que como eu viveu nas ruas.
“Paciente encontra-se em péssimo estado de higiene, mau cheiro”
Na segunda-feira à noite a informação foi confirmada pelo coordenador-geral do CAPE, o Cássio Giorgette que ficou de me ceder cópia dos documentos. O relatório escrito feito pelo médico me causou uma indignação profunda. O caso se deu assim: eu fiquei irado, parecia que ia explodir feito uma banana de dinâmite em pedreira, espatifando tudo ao redor. Eu estava muito revoltado. À noite fiquei sem sono, pensando. Tinha que fazer alguma coisa.
Chegou a terça-feira, 7 horas. Lavei umas peças de roupa, coisa que detesto fazer, mas eu estava lavando, enrolando as horas. Passado das oito horas da manhã fui à sede do jornal O Trecheiro - Notícias da População de rua, do qual sou colaborador. Tenho uma coluna intitulada “Direito da rua”. Desde os tempos de albergue escrevo lá. Atualmente estou morando numa pensão, um quartinho menor que elevador de faculdade. Bom, meu texto já estava definido, corrigido, uma homenagem às mulheres, fazer o quê?
Foi então que entreguei a papelada ao Alderon que já estava também a par do assunto e precisava justamente dos documentos que eu reunia sobre os fatos.
Mas eu não estava satisfeito. Publicar no Trecheiro era muito pouco pra um crime tão cruel. Crime? No meu pensamento sim. Então elaborei uma nota, produzi uma notícia e espalhei pela internet às 8:40 da manhã-terça feira 13 de março de 2007 ao SUS, Ministério Público, defensorias, SAS, Comas, Conselho do Idoso, Igreja, movimentos sociais, e quem mais discursa em defesa dos direitos humanos.
Higienização faz vítima fatal
Nove de março de 2007, 19:00. A munícipe Ana Maria F. ligou pro Cape. Viatura(Kombi) 06 placas final 6 e agentes de proteção social Suelen e Nicolas da base de Santo Amaro se dirigiram à rua Felix de Souza. Foram recebidos pela munícipe Ana que indicou a presença de um morador de rua à frente de sua garagem. Foi abordado e atendido o senhor Ricardo de Oliveira, 54 anos. Queixava-se de dores nas costas e nas pernas. Com auxíio da munícipe, aceitou atendimento sendo levado à Santa Casa de Misericórdia de Santo Amaro. A munícipe acompanhou o encaminhamento indo em seu carro particular. Ricardo foi atendido pelo médico Osny Batista. O médico diagnosticou: paciente encontra-se em péssimo estado de higiene, mau cheiro. Receitou um medicamento. Conclusão: não se trata de uma patologia que necessita de auxílio de hospital. Trata-se de problema social: “não quer ir pro albergue”.
Às 22:55, a munícipe Ana. Maria F., que acompanhou os trabalhos de abordagem e atendimento na Santa Casa, acionou novamente o Cape informando que o senhor Ricardo havia recebido alta médica. A viatura (Kombi) 06 levou o senhor Ricardo para o albergue Cirineu (no viaduto Jacareí), no centro da cidade. Ao chegar no albergue a agente de proteção social Cristiane constatou que o senhor Ricardo não apresentava sinais vitais aparentando ter falecido. Policiais militares se dirigiram ao local e confirmaram: Ricardo de Oliveira estava morto.

http://revistaepoca.globo.com/Revista/Epoca/0,,EDG76692-5856-460-1,00.html

Desumanidades # 3

Seu Ricardo morreu porque não tomava banho
Sebastião Nicomedes


Boletim 1706/2007 5º DP Aclimação, emitido em 10/03/2007 Providência tomadas-MSG CEPOL: AGUARDANDO LAUDOS. ATÉ QUANDO?

Eu precisava fazer alguma coisa. Eu queria explicações. Eu levantava dados quando uma repórter, uma amiga especial (Eliane Brum) ligou pra mim e disse: “Escreva a respeito, vai atrás dos fatos, põe pra fora o que tá sentindo”. O que eu quero com isso? Justiça, providências, respeito. Não pode ficar assim, impune, esse caso. Topei o desafio e saí pra falar com as pessoas que vivenciaram diretamente esse caso.
18:00-SAS SÉ - Base do Cape
Procurei o coordenador do Cape, o Cássio, e o entrevistei. Ao meu modo, conversamos:
- O que você me diz desse caso- Olha, Tião, não é um caso isolado.Vem se tornando freqüente o número de pessoas que entram em óbito dentro dos albergues, dos serviços da rede de assistência. Pessoas que vêm de hospitais, postos de saúde. Nesse caso, a fatalidade aconteceu no deslocamento, o que é pior. Foi mais indigna ainda a forma que o senhor Ricardo morreu. O descaso, as negligências, as reclamações são incontáveis já. - Ele vai ser enterrado como indigente?- Não. Os documentos dele estão na casa da munícipe e ela vai nos passar pra entregar aos peritos. Ele já foi devidamente identificado.- Menos mal. E o corpo já foi liberado?- Vai ficar por uns dias aguardando parentes reclamar o corpo. Vão tentar localizar a família. - Qual foi a causa da morte? - Ainda não podemos dizer. O laudo sai em 45 dias. Mas certamente faltou atendimento de verdade, faltou vontade, faltou respeito. Ele morreu por negligência. O médico estava com nojo do paciente e ele nem foi tratado como paciente-cidadão. Foi tratado como lixo. O médico diagnosticou falta de higiene, falta de banho. Não levou o caso a sério. Ele esqueceu o juramento. (Peço ao coordenador que me arrume carona até a base de Santo Amaro. Quero falar com os dois agentes de proteção que fizeram a abordagem). - Tem uma viatura que vai pra lá daqui a pouco. Posso pedir ao motorista pra te levar junto. Ele está de serviço lá mesmo.
O último desejo dele foi Coca-Cola. Tomou água e disse o gosto estava ruim
19:35. Chegando à base procurei os dois agentes. Nos cumprimentamos sem muita alegria que os dois estavam meio aéreos. Haviam dado entrevistas por telefone. A imprensa comprou a briga. Fiquei emocionado: “Começou a justiça”, pensei.- Seu nome é Suelen, certo? - Suelena. - Suelene? No relatório do Cássio está Suelen...- É comum acontecer quando escrevem meu nome. Mas o correto é Suelena Soares dos Santos. - Suelena, qual sua idade? - 42. O Nicolas tem 24. - Ele (Ricardo) tinha 54, como pode? A vida ... - Suelena, como foi a abordagem do seu Ricardo? - Difícil. Ele relutou muito. Não queria vir de jeito nenhum. Dizia que a gente ia judiar dele que nem dos outros. - Outros? - Os outros, o pessoal do SAMU de que ele não gostava.Tinha pavor da ambulância deles. Já o haviam atendido outra vez. A dona Ana nos ajudou na conversa com ele. Mas foi decisiva a participação da filha dela que chegou. Ela deu uma dura nele, um puxão de orelhas. Ele parecia da família. Ela apelidou ele de cascão,então ela falou sério que ele devia nos acompanhar sim porque era para o bem dele. Na vinda pro hospital ele me pediu Coca-Cola. Coca-Cola. Vê se pode! No hospital deram água pra ele, a enfermeira deu, água da torneira, ele reclamou que a água estava ruim. Ele era exigente, não era bobo não. O refrigerante... se eu soubesse que seria o último desejo dele... E eu não atendi.
Fala Nicolas: - A gente atende casos piores, bem mais complicados.Teve um dia lá no centro que atendemos dois casos de ataques de convulsão e outro de epilepsia, um perto do outro. Revirando a papelada na prancheta: seu Jurandir Francisco dos Santos (37 anos) e Valdemir Domingos (40 anos).

Suelena: - Seu Valdemir vomitava sangue.Os dois estavam muito debilitados, aqueles sim pensamos que iam morrer.
Nicolas: - Eles foram atendidos no OS da Barra Funda. Lá o atendimento ao morador de rua é mais humano.
Eu: - E eles escaparam?
Suelena: - Escaparam.

http://revistaepoca.globo.com/Revista/Epoca/0,,EDG76692-5856-460-2,00.html

Desumanidades # 4

Seu Ricardo morreu porque não tomava banho
Sebastião Nicomedes

Médico: “Ele está melhor que nós. A perna dele está formigando de cachaça”

E isso é que o seu Ricardo a gente não esperava. O médico escutou o coração dele e a pressão 12 por 8. O médico falou que ele estava melhor que nós. Eu perguntei: “mas e a perna dele doutor? Ele falou que tá formigando?”

O médico respondeu:- Tá formigando de cachaça. Isso é devido à bebida. - Ele bebia muito? - O quê?
Eu liguei pra dona Ana e falei do médico. Ela ficou indignada. Disse que o seu Ricardo não bebia e nem fumava. Ela mandou eu falar sobre a perna e cobrar atenção.
- E vocês então levaram ele de volta pra frente da casa da dona Ana? - Não. Foi assim. A gente estava no fim do plantão.A gente saí às oito. Então como ele ia ser medicado ainda e o médico dizia que estava tudo bem com ele, a gente fechou o plantão. O médico só dizia que o problema dele era banho. - E no hospital não dava pra tomar banho para o médico parar de encher o saco?
Nicolas e Suelena falam sobre a Assistência Social:
Suelena: - Aí é que tá. Nos hospitais tem assistente social mas ela sai as 19 horas,e só retorna depois oito da manhã. Não tem plantão delas.
Nicolas: - Não trabalham à noite e é à noite que as coisas acontecem. - E vocês ficaram sabendo que ele morreu depois que vocês foram embora?
Suelena: - Quando me falaram eu não acredite. Eu ainda não estou acreditando...
Nicolas: - Eu fiquei chocado, frustrado. O médico disse que ele estava muito melhor que nós. Vou fazer 26. Depois do seu Ricardo eu não sei mais nada.
“A Cristiane ria muito. Acho que nervoso”
Peguei carona de volta pra base central da Sé pra conversar com a Cristiane, a que apoiou na busca do senhor Ricardo após a alta do hospital e o levou pro albergue.
22:18 SAS-SÉ, base do Cape
Encontro a Cristiane, a coordenadora, e um outro coordenador. Falavam sobre o homem que morreu, brincavam que a Cristiane estava feliz. Ela contestando: “Brincadeira de mau gosto. Eu quase morri de susto isso sim.” - Você se assustou?, perguntei. - Claro moço, quem não assusta? Eu trabalho aqui há 3 anos e nunca aconteceu isso. - Como foi? - Eu estava na base Santo Amaro.Vim pra cá.Chegando aqui me falaram de um caso na Santa Casa de lá. Eu falei: ‘puxa, vim de lá agora’. A gente chegou lá e ele estava na cadeira de rodas acompanhado. Isso é raro. Morador de rua com acompanhante em hospital não é uma cena muito comum. Ele estava na cadeira, achei ele debilitado. A mulher me ajudou a por ele na viatura. Ele falou que ia dormir. (Cristiane está rindo, não soltando a voz, mas está rindo o tempo todo. Fiquei um tanto incomodado mas fui percebendo ela ria,acho que de nervosismo.Ela ria e acho que o avesso dessa reação seria o choro mas as lágrimas não vinham e o riso era como se estivesse chorando)- Cristiane de quê?- Cristiane Aparecida de Campos. Tenho 36 anos.Continua conversa: - Então eu falei pra ele ir no banco de trás que ele queria deitar e lá atrás é mais seguro pra não cair do banco. Ajudamos ele a se acomodar. Ele foi entrando e se ajeitando. E veio assim dormindo a viagem toda. Quando chegou lá pedi ajuda pros agentes do albergue pra acordar ele. Eu tentei acordá-lo e não consegui. O agente do albergue falou que ele estava estranho, com o olho aberto.Aí mexemos, conferimos, não tinha sinais vitais. Chamamos a polícia. Foi confirmado. Liguei pra base avisando o coordenador da mesa, o Nelson. Ele foi lá me apoiar. - Você é agente, isso?
- Sou técnica. O Nélson é coordenador de mesa e o Cássio coordenador geral. O plantão era do Nélson e ele foi me ajudar. Fomos à delegacia, registramos boletim de ocorrência e voltamos pra esperar o rabecão. Eu fiquei nervosa, minhas pernas tremiam. Eu falava: ‘gente, esse homem não falou, não gritou. Ele não gemeu, ele dormiu e não acordou mais, como pode?’ Em três anos que trabalho aqui isso nunca me aconteceu, sabe? Somos discriminados porque a gente trabalha com pessoas à margem. É um hospital ou outro que atende morador de rua. O SAMU mesmo foge dessa gente e transfere a responsabilidade toda pra nós. Mas nós não somos médicos, não entendo de enfermagem. Não sei dar remédio nem pra mim.Tá tudo errado. Mas eu sinceramente não acredito que vai dar em alguma coisa essa onda toda. É uma onda e vai passar. Todo mundo vai esquecer do assunto. Amanhã esse médico vai tá lá fazendo a mesma coisa com os outros moradores de rua. É assim que funciona. Cristiane foi ficando sem palavras,encurtando as respostas, repetindo, rindo.
Fui ao banheiro. Lavei o rosto que quem estava quase chorando agora era eu. Parei pra tomar uma aguinha gelada no bebedouro do corredor próximo à sala onde entrei mais tranqüilo para usar o telefone. Liguei pra dona Ana. Um homem atendeu e chamou dona Ana pra mim. Me apresentei como participante do Movimento dos Moradores de Rua e disse que queria ajudar a levar o caso adiante pra não ficar por isso mesmo. Ela, educada, me atendeu super bem e conversamos: - Dona Ana, como era o seu Ricardo? - Era uma pessoa querida.Todo mundo aqui no bairro conhece ele. Pegava jornal pra vender, descarregava caminhão. Davam para ele R$ 2, R$ 3. Parece que ele não tinha noção que pagavam tão pouco.- Ele morava na sua casa? - Sim, mas na garagem, do lado de fora.Tem uma pontinha de laje.Há um ano ele mora aqui na frente de casa. - Então ele era morador de rua? - Era sim. Mas não foi sempre assim. A mãe dele trabalhava de empregada doméstica. Quando o patrão dela morreu ela comprou um barraco na favela. Aí veio a Avenida Água Espraiada e tiraram o barraco deles. - Então ele tem a mãe dele ainda? - Ah, isso ninguém sabe. Os vizinhos dizem que ele mudou pra um lugar que precisa pegar trem. Então deve ser longe. Mas onde fica não se sabe ao certo. - E por que a senhora resolveu chamar o Cape pra tirá-lo daí da frente da sua casa? - De uns dois, três meses pra cá, ele vinha mancando de uma perna. Chamamos o SAMU que não queria levá-lo. Liguei pra polícia que falou pra eu chamar o SAMU de novo. Se eles negassem socorro ao homem levariam eles presos. Aí eles atenderam. Levaram seu Ricardo pro hospital Sabóia. Lá, deram uma injeção nele e mandaram procurar um posto de saúde. Ele apareceu aí na frente. Veio andando, segurando num pauzinho que fez de bengala. Aí piorou a perna. Chamamos o SAMU de novo e ele foi pro hospital. Ficamos batalhando um albergue pra ele, liguei para a Assistência Social do hospital São Paulo e me falaram pra ligar pra SAS. Ele era boa pessoa. Gostava de Coca-Cola e água mineral com gás. Davam para ele num barzinho aqui na esquina. - Ele tinha dificuldades pra tomar banho? - Ah, ele não tomava. Antes, ele tomava numa casa da vizinha. Depois que ela se mudou não tomou mais. Aqui em casa ele tinha medo dos cachorros e por isso não entrava pra tomar banho não. - A senhora tem quantos anos? - 54. - Eita, a mesma idade dele?- É. Pena ele viveu sem conforto e morreu de uma maneira indigna. Quando o Cape chegou, ele queria álcool pra cheirar. Estava com problemas de respiração e achava que o álcool ia abrir o nariz como na inalação. Mas a gente explicou pra ele que era um problema mais sério e que ele devia ir ao médico. Minha filha Elaine foi pro hospital. Quando avisaram que ele faleceu, ela voltou no hospital pra pedir satisfação pra médica. A médica falou pra minha filha que ele estava com cirrose hepática. - Sua filha está em casa agora? - Tá. - Posso falar com ela? Elaine (a filha) pegou a ligação. Me apresentei: - Seu nome é Elaine de...? - Elaine Fernanda Pimenta - Qual sua idade e o que você faz?- Tenho 29 anos e sou psicóloga. - Elaine, então você voltou ao hospital para protestar? Com a médica é isso? - Fui tirar satisfação com a médica que deu alta pra ele. Ela falou que ele tinha cirrose. Eu fiquei revoltadíssima. Pedi o nome dela. Mandou eu procurar um advogado. Mas me deram o nome dela: Eliana M. A. Braga. Eu consegui levantar os dados dela com o CRM e tudo. Ela falou que nós levamos um homem morto pra ela. Vê se pode?

http://revistaepoca.globo.com/Revista/Epoca/0,,EDG76692-5856-460-3,00.html

Desumanidades # 5

Seu Ricardo morreu porque não tomava banho
Sebastião Nicomedes

“Eu lembrei: Um dia um médico me salvou porque olhou pra mim e me chamou pelo nome. Hoje eu tomo banho.”

Fiquei pensando no que teria sido de mim se quando procurei um hospital precisando fazer cirurgia (eu que estava um bagaço de gente, mais sujo do que se possa imaginar). Nem meu nome falava mais. Eu fiquei lá entre os pacientes, sentado num banco de espera, encolhido, envergonhado, escondendo o rosto. Foi no hospital do Prai. O doutor Samuel olhou pra mim e me chamou pelo nome. Disse: ‘Vamos cuidar desse braço’. Se ele não me olhasse nos olhos e me tratasse como gente, talvez hoje eu nem estivesse mais aqui. Quando ele me olhou nos olhos e me chamou pelo nome, me salvou. Um médico pode salvar uma pessoa de várias maneiras. Hoje eu tomo banho e amo a vida. Seu Ricardo não teve a mesma chance. Que diagnóstico é esse? Os higienistas o julgaram indigno de tratamento e de um leito hospitalar. A sentença: morte. O crime: não tomar banho.

http://revistaepoca.globo.com/Revista/Epoca/0,,EDG76692-5856-460-4,00.html

quarta-feira, março 14, 2007

pensamentos desconexos ou lembranças da semana passada que ainda me atingem

EFEITO MORAL

Bomba.
Expressivo artefato explosivo
Que se diz inocente
De todas as acusações de mortes e ferimentos
Provocadas por suas explosões e estilhaços.
Afirma respeitar
A conduta e integridade física

De todos os manifestantes
Agindo apenas
Moralmente
Para garantir a continuidade
Da pacífica ordem e do vantajoso
Progresso.
Sem indicações de efeitos colaterais.
Diz-se ser tão inofensiva
Quanto ler um poema!


(rodrigo ciríaco)

Buzo na Revista Galileu


Marilda Borges e Alessandro Buzo


Salve Pessoal,


Nem tudo são maremotos e rios de sangue na Periferia. Quem acompanha os blogs do Sérgio Vaz (www.colecionadordepedras.blogspot.com), Ferréz (www.ferrez.blogspot.com), Sacola (www.sacolagraduado.blogspot.com) entre outros (prometo fazer uma nova lista de indicações em breve) sabe que a periferia está em agitação, com coisas boas, artísticas, culturais.


Este mês o mano Buzo (www.suburbanoconvicto.blogger.com.br) foi agraciado com a indicação do seu blog, como referência, na revista Galileu. Saiba mais infos. abaixo, direto do seu blog:



"REVISTA GALILEU


Março/2007 (Nas bancas - R$ 9,90).



Revista GALILEU traz "Os 10+", destacando 10 blogs marginais pelo mundo, e nosso SUBURBANO CONVICTO tem a honra de estar entre eles representando o Brasil............o que diz a revista................



BLOGANDO SEM FRONTEIRAS Para ter uma visão mais completa sobre o que acontece em um país, o melhor mesmo é diversificar as fontes, conheça alguns dos blogs mais "marginais" da internet, que trazem o lado B da noticia.



O que diz do Suburbano.................. SUBURBANO CONVICTO - Brasil.


Esse site não vem de um local distante de nós, mas abre portas para uma realidade que muito brasileiro desconhece. Seu autor, o escritor Alessandro Buzo, revela fatos do cotidiano dos moradores do Itaim Paulista, periferia de São Paulo, além de trazer notícias sobre hip hop, literatura e cinema nacional. Buzo é uma espécie de ativista cultural de seu bairro. Começou a escrever em 2000, quando passava muito tempo dentro do trem para chegar ao centro, onde trabalhava. "Pensavam que não sabíamos nem ler e estamos escrevendo livros", diz o autor, que já lançou quatro títulos. Vá fundo: www.suburbanoconvicto.blogger.com.br


Por: Juliana Tiraboschi
OS 10 +


www.livesayhaiti.blogspot.com - HAITI
www.omidmemarian.blogspot.com - IRÃ
www.lebanonsolidarity.org - LÍBANO
www.chinabounderess.blogspot.com - CHINA
http://teeth.com.pk/blog - PAQUISTÃO
www.a-voice-from-gaza.blogspot.com - PALESTINA
www.nkzone.org/nkzone - CORÉIA DO NORTE
www.sudanwatch.blogspot.com - SUDÃO
www.riverbendblog.blogspot.com - IRAQUE
www.suburbanoconvicto.blogger.com.br - BRASIL"



E pra quem não sabe, o Buzo mantém outros blogs. Em um deles, o Literatura Periférica (http://www.literaturaperiferica.blogger.com.br/) sou colaborador semanal. Acessa lá e confira alguns textos.
Sucesso Buzo. Sabe que tamo junto!
R.C.

terça-feira, março 13, 2007

Até quando?

Sem palavras...

"Ao SUS, Ministério Público, Defensoria, SAS, comas, conselho do idoso,igreja, movimentos sociais,igreja, e quem mais discursa em defesa dos direitos humanos.

HIGIENIZAÇÃO FAZ VÍTIMA FATAL.

Nove de março de 2007-19:00 hs. A munícipe Ana Maria.F ligou pro Cape.Viatura(kombi) 06 placas fina 16 e agentes de proteção social-Suelen e Nicolas da base de santo amaro se dirigiram á rua felix de souza--- foram recebidos pela munícipe Ana que indicou a presença de um morador de rua á frente de sua garagem.
Foi aborado e atendido o senhor ricardo de Oliveira 54 anos.Queixava se de dores nas costas e nas pernas.Com auxilio da municipe aceitou atendimento sendo levado à santa Casa de Misericórdia de Santo Amaro.A municipe acompanhou encaminhamento indo em seu carro particular.Ricardo foi atendido pelo médico Osny Batista.O médico diagnosticou:Paciente encontra-se( *inelegivel) ,péssimo estado de higiene,mau cheiro.receitou medicamentoxxxxxxxx xxxxxxxxxxxxxxxx xxxxxxxxxxxxxxxx xxxxConclusão:Não se trata de uma patologia que necessita ao auxilio de hospital:trata- se de problema social-"não quer ir pro albergue?".As 22:55 a municipe Ana.M.F que acompanhou os trabalhos de abordagen e atendimento na santa casa,acionou novamente o cape informando que o senhor Ricardo havia recebido alta médica.A viatura(kombi) cape 06 levou o senhor Ricardo para o Albergue Cirineu (viaduto jacareí) no centro da cidade.Ao chegar no albergue a agente de proteção social Cristiane constatou que o senhor Ricardo não apresentava sinais vitais aparentando ter falecido. Policiais militares se dirigiram ao local e confirmaram_ Ricardo de oliveira estava morto.Boletim 1706/2007 -5*DP aclimação.emitido em 10/03/2007providencia tomadas-MSG CEPOL AGUARDANDO LAUDOS............. ......... ......... ......... ......... ......... ......... ......... ......... ......... ......... ......... ......... ......... ..................... ......... ......... ......... ......... ......... ......... ......... ......... ......... ......... ......... ......... ......... ......... ......... ......... ......... ......... ......... ......... ......... ......... ......... ......... ......... ......... ......... ......... ......... ......... ......... ......... .......ATÉ QUANDO?"

Mensagem recebida por email de Sebastião Nicomedes integrante do Movimento Nacional Da População de Rua - MNPR -, e informa ainda que possui sobre o caso:
boletim de ocorrência,
relatório do médico-carimbado e assinado,
declaração do coordenador do cape-onde ele protesta e acusa a saúde de neglicencia e mal atendimento á população de rua.

domingo, março 11, 2007

PELA MORTE DE DOIS MENINOS

Caminhas agora sobre o céu
E entre poucos homens e mulheres da terra
teu nome é lembrado.
Enfim, viveste apenas como sombra
Na planície da favela
De que valeria agora ter
o seu rosto recordado?

Recortada foste sim a tua vida
Quando na paulatina miséria foste subjugado
E das ruas do Centro fez a sua sina
A morte na vida, para pequeno homem
Livre e condenado.

Entre cães e amigos caminhava e vivia
Mediante esmolas garantia um pequeno ordenado
Nem a cruz da Igreja curou a tua ferida
Que com pedras e chicotes foste machucado.

A duras penas a tua alma não cingia
E nem pregado na madeira te sentias crucificado
Teu olhar penetrante mostrava que tímido não seria
Encarava os olhos da morte
Com os mesmos olhos que pedia um trocado.

Porém, foste abusado, e logo no começo, logo na saída
De uma estúpida brincadeira se tornou maculado
Não bastava apenas Felipe a roleta russa da vida?
E na ciranda da miséria foste baleado.

Mortal, o disparo não feriste apenas tú menino
O projétil vazio é a dolorosa lembrança de um novo acusado
Teu amigo de bola, esquema, viração e destino
Diz que a morte é a sua sina, por se saber algoz, declarado.

Teu corpo aos abutres se tornou nobre comida
E entre as sobras de um terreno, felizmente és encontrado
Agora se torna reza dos homens que não te salvaram em vida
E choram sobre o teu corpo-menino-caixão selado.

Descanse em paz Felipe
Do céu não pense nos homens que o havia abandonado.
Da terra, não sofras, não chores mais lágrimas
do que a sua dor suporta menino
A culpa é um câncer e, deste crime
você não é o maior culpado.


(rodrigo ciríaco)

Mil Palavras: # 2



Esta última o Angeli fez especialmente sobre a minha escola, depois uma visitinha num dia de chuva. Sei, parece mentira? Mas, não é. O quê? A visita do Angeli na escola? Não, não rolou. Só a imagem mesmo é que é verdadeira.

sexta-feira, março 09, 2007

Ei Bush, tá aqui o álcool óh...


É Lula, de que lado você samba?

Ficar em cima do muro não dá!

OBScenas


Mylton Severiano, estas poderiam ir para o seu quadro da Caros Amigos.
OBScenas.

Flores no Jardim


fotos: Luís Coelho e Rodrigo Hypolitho - CMI

Raízes da Alma
rodrigo ciríaco

Podem destruir uma, duas ou até três flores,
mas jamais deterão a primavera...
Guevara

08 de Março de 1857
A primavera pede espaço em Nova Iorque
Rosas perfumadas interrompem a produção de tecidos
Exigem respeito, melhores condições de trabalho
Redução da irredutível jornada.
Seus gritos não são atendidos!
São agredidas, maltratadas,
Refugiadas no próprio país
Dentro de uma fábrica.
Os agressores não se sensibilizam
E num gesto insensato,
Digno de um ato humano, inexplicável,
Trancam as portas do jardim
E ateiam fogo as flores.
Elas ainda não haviam sido arrancadas da terra.
Por que murcharam oh rosas?
Teria sido a falta de ar, o calor incessante?
Ou a incredulidade com o barbarismo
De tal gesto humano?

08 de março de 2007
O verão queima cabeças, queima o asfalto
Teimoso, não quer se despedir das ruas de São Paulo.
Um jardim multicolorido cresce na principal Avenida
Da Indiferença da cidade.
O Roxo e o Vermelho dão o toque único
Feminino.
150 anos depois, milhares, mulheres, homens,
idosos, crianças, ainda lutam por direitos
e hoje caminham lado a lado.
Mad Bush, o fascínora de bombas sem rosto
É só provocação, e como os agressores novaiorquinos
Pisa em terra brasilis, e a todo lugar
Manda fechar o portão.
O governo brasileiro agradece. Obedece.
Nas ruas, barracos são arrancados, trabalhadores
Ficam horas nos pontos, lotados.
Tudo para a segurança do presidente.
Que não aceita o diálogo, não aceita protestos
E faz da Avenida Paulista um território Iraquiano.

Na minha frente
O teatro dos horrores é montado:
há sangues, bombas, tiros
E corpos estendidos no chão.
Onde havia um jardim diversamente florido
Foi aberta uma cratera
Onde havia 10.000 flores
Agora resta apenas um buraco.
As flores não murcharam, resistiram,
Mas elas choram. E sangram.

Caminhando perdido na busca de um rosto amigo
Entre uma multidão apavorada que corre para todos os lados
Para proteger a sua vida
Lembro de uma aula na escola
Em que o tema foi o dia 08 de Março
E após saber o que aconteceu na véspera da primavera
De 1857, um aluno me olhou nos olhos,
Um olhar angustiado, me perguntou:
- Pra quê isso?

Hoje, exatos 150 anos depois
Vendo bombas serem arremessadas contra corpos
Uma mulher, ferida e gritando ao meu lado
Permaneço imóvel, atônito
E me pego com o seu mesmo olhar
O seu mesmo questionamento:
- Pra quê isso?

quinta-feira, março 08, 2007

BUSH: GO HOME! - Fotos

foto: Fernando Evangelista - FSM 2005
demais fotos retirados do sítio do Uol - minha máquina está em conserto.

Manifestantes queimam bandeira dos (que nos) USA

Av. Paulista tomada!

Marcha Mundial das Mulheres

Caos: repressão policial

Manifestante machucado

Acima e abaixo: manifestante detido.
outras fotos, infos., acesse:

BUSH: GO HOME!

Vila Monumento, Ipiranga. São Paulo. 08 de Março de 2007. 20 horas e 40 minutos. A besta fera Bush a pouco desembarcou na terra brasilis e já deixou sequelas. Meus olhos ainda formigam, insistem em lacrimejar. Minha boca está seca. Acabei de vir da manifestação da Avenida Paulista.
E também assisti a cobertura da "grande mídia". Que bosta! As imagens mais marcantes, pra variar, foram da violência. O Ato - que não foi só anti-Bush mas, contou com a presença maciça de mulheres para marcar o Dia Internacional da Mulher - começou as 15hs na Praça Oswaldo Cruz, início da Av. Paulista. Sol de rachar a cabeça, as pessoa foram chegando, se ajeitando e, dali a pouco, já tinha milhares de pessoas. A Polícia Militar bem que tentou deixar apenas uma mísera faixa livre para os manifestantes mas, era muita gente. E foram tantas que, em pouco tempo, tomamos as quatro faixas da Paulista.
E não houve ROCAM ou cordão de isolamente da PM que segurou a gente.
Marchamos, pacificamente, atravessando a Av. Paulista. Olhares curiosos, muitas câmeras, máquinas fotográficas. Até o Pânico, estava lá. Tosqueira foi ver a galera esquecer o protesto e ficar babando ovo nos cara. Tudo tem limite né gente.
Bem, como disse, o ato seguiu tranquilo. Duas horas de ato tranquilo já haviam se passado, quando chegamos ao vão livre do MASP. De repente, por volta das 17h10m, a alguns metros de onde estava, uma bomba estorou.
Sabe o que é estar entre 10.000 (dez mil) pessoas, juntas, em uma Avenida, sem possibilidade de você correr ou se locomover depressa, com crianças, idosos, cadeirantes, todos juntinhos, espremidos e, de repente, do nada cair uma bomba de EFEITO MORAL no meio da galera. Assim, todo mundo junto e, de repente, BOOOOOOOMMMMM! Bomba, no meio da galera. Seguido de outra, e tiros de bala de borracha (que machucam, marcam viu!) e bombas de gás lacrimogênio. Pois é, parece surreal mas, foi isso o que aconteceu!

Depois de algum tempo eu ainda ficava me perguntando: pra que isso? pra que isso?
Segundo a "grande mídia" manifestantes tentaram fechar a segunda pista e, quando os policiais reagiram, sofreram ataques de pedras e paus.
Peraí: isso justifica jogar bomba no meio de uma multidão?
Porra, o Choque tava lá. Se tinham que manter a "ordem" por que não foram para cima dos caras que estavam atacando os paus, as pedras. Tinham o escudo, tinham o cacetete. Se eles acham necessário usar a força, por que não encaram os manifestantes de frente? Agora, bomba no meio da multidão?

Imprudência, desrespeito, covardia, para com uma manifestação pacífica, lotada de mulheres.
Alguns manifestantes tiveram que ser socorridos. Várias senhoras que apoiavam o Ato, em cadeira de rodas, também sofreram com as bombas de gás lacrimogênio e, como eu (e milhares de manifestantes) ficaram com os olhos vermelhos, formigando, queimando e com a boca e a garganta bem seca.
De qualquer forma, o ato valeu! E como disse, o confronto, apesar do destaque, não foi o mais importante. Durou quinze minutos - certo, pareceram horas - mas a manifestação durou mais de 03 horas, e foi bonita! Muita cor roxa, vermelha, fitas, sorrisos e mulherada bonita!
Valeu para as mulheres mostrarem a sua força. E que força! Valeu para mostrarem que estão acordadas, unidas. Os homens que se cuidem. Principalmente aqueles que gostam de abusar delas.
E falando em abusar. Valeu para dar o recado para o Baby Mad Bush. GO HOME! Aqui você não é Bem Vindo. Como em nenhum lugar do mundo. E se tivesse a decência, entregava o seu cargo e dava um tiro na cabeça. Faria um serviço para a humanidade.
Vou tentar postar algumas imagens aqui. Mais já deixo a sugestão de visita do
www.midiaindependente.org para saber mais infos. sobres os atos que rolaram no Brasil e fotos.
Cansado, com olhos ardentes e uma dor de cabeça,

Rodrigo Ciríaco

Meu maior desafio


NO MEIO DO CAMINHO
rodrigo ciríaco


Violência
Diálogo
Analfabetismo
Conhecimento
Discriminação Racial
Humildade
Desmotivação
Sinceridade
Insegurança
Respeito
Baixa Auto-Estima
Palavras
Aculturação
Ética
Pobreza
Superação
Indisciplina
Compromisso


Meus Alunos
Minhas Alunas
Pedreiras.

O meu maior desafio.

Dia Internacional da Mulher

Às
putas, guerreiras, faveladas, mães solteiras, agredidas, violentadas, ofendidas, esquecidas, humilhadas, trabalhadoras, camponesas, negras, pobres;
a todas as mulheres que valorizam a parte mais importante do seu corpo: mente e coração;

A LUTA CONTINUA...
todo dia é dia Internacional da Mulher.

Fico muito feliz por abraçar, quase sempre, a mulher mais importante de minha vida: Mãe, Eu Te Amo. Se ainda estou aqui, foi só por você!

R.C.

quarta-feira, março 07, 2007

Notícias - Blog do Bourdourkan

"Enquanto houver um explorado e um oprimido não haverá paz"

Horrores

Abu Omar, clérigo muçulmano que vivia na Itália, foi seqüestrado pela CIA nas ruas de Milão em 19 de fevereiro de 2003. A CIA contou com ajuda do serviço secreto do então primeiro ministro Silvio Berlusconi.A juíza Caterina Interlandi resolveu acusar 26 espiões americanos e sete italianos, entre eles o ex-chefe do serviço secreto militar do país Nicollo Pollari. O julgamento está marcado para começar no dia oito de junho, provavelmente sem os espiões de Bush já que eles retornaram a seu país. Abu Omar foi parar numa prisão egípcia onde sofreu brutalidades sem fim. A tortura era diária. Seus tornozelos e antebraços têm cicatrizes, foi pendurado de cabeça para baixo, recebeu choques elétricos, inclusive nos órgãos genitais. Tem problema de incontinência urinária e só 30% da audição nos dois ouvidos. Nos quatro anos que ficou preso não lhe permitiram tomar nenhum banho. Tentou o suicídio três vezes. “Fui objeto de abuso sexual e sodomizado duas vezes”, contou entre lágrimas ao deixar a prisão, no começo de fevereiro. Foi libertado sem acusações.

Mercenários

Nos massacres diários que ocorrem no Iraque, um grupo se destaca. E que grupo. São mais de 120 mil mercenários provenientes dos cinco continentes, principalmente do Zimbábue, Irlanda do Norte, Grã Bretanha, Estados Unidos, França, África do Sul e Israel. Os mercenários israelenses recebem um abono especial porque falam o árabe.Estes “soldados da fortuna” portam armamento de última geração. Ao serem indagados para quem trabalham, respondem com sorriso cínico:- Para todos – questionados se possuem algumas regras, o cinismo é maior ainda:- Nenhuma.Vale acrescentar que o número de mercenários deve ultrapassar o numero de militares americanos ainda este mês. Por tanto, quando Bush diz que vai enviar mais 21 mil soldados, essa cifra deve ser acrescida não aos 120 mil, mas aos 240 mil.

Informação e manipulação

A informação é da BBC: Soldados americanos apagaram imagens feitas por jornalistas da Associated Press.Os jornalistas disseram que as imagens apagadas mostravam um local de ataque no Afeganistão onde oito civis morreram e 35 pessoas ficaram feridas no incidente. De acordo com os jornalistas, as câmeras continham ainda o vídeo de um veículo em que três pessoas foram mortas a tiros. A ONG Repórteres Sem Fronteiras condenou a suposta ação das forças americanas e criticou a maneira como eles lidaram com a imprensa.Essa é a informação, agora a manipulação das palavras. Oito civis morreram e 35 pessoas ficaram feridas no incidente. Incidente? Ou massacre, já que todos eram civis? Mas a manipulação continua: A ONG Repórteres Sem Fronteiras condenou a suposta ação das forças americanas... Suposta? Foi filmado e gravado e chamam de suposta?Infelizmente é nisso que se transformou a informação. E somos todos reféns...

Corumbiara

No esquecido e impune massacre de Corumbiara (RO), e já lá se vão quase 12 anos, depoimentos de sem-terra, gravados em vídeo, esclarecem que tiveram que beber o sangue e comer os miolos dos companheiros mortos, obrigados que foram pelos soldados da Policia Militar do Pará. Uma menina de 10 anos conta como viu os soldados cortarem o pescoço de um sem-terra com a moto serra. Há também relatos de estupros.O silêncio chega a ser ensurdecedor!


Desaparecidos

A ONG de Defesa dos Direitos Humanos Human Rights Watch denuncia: o governo dos Estados Unidos ignora o paradeiro de dezenas de prisioneiros que foram capturados por agentes da CIA. Joanne Mariner, diretora do setor de terrorismo e contra-terrorismo da Human Rights Watch declarou: “O presidente Bush nos disse que os últimos 14 detentos da CIA haviam sido enviados a Guantánamo, mas há muitos outros prisioneiros da CIA cujo destino ainda é desconhecido. A pergunta é: o que aconteceu com essas pessoas e onde estão elas agora”?Com todo o respeito à respeitável Human Rights Watch, nossa experiência em prisões nos permite responder, sem qualquer sombra de dúvidas, e lamentavelmente, que os infelizes prisioneiros devem estar enterrados em alguma vala comum ou então atirados ao mar depois de terem as mãos cortadas. É brutal, mas é assim que os torturadores agem, seja no terceiro ou no primeiro mundo.

quinta-feira, março 01, 2007